Escolha uma Página

Dia após dia, os brasileiros são bombardeados com notícias reiterando aquilo que, ora por puro hábito, ora por honesto desespero, já repetem pelas ruas: o cenário político nacional está tomado pela corrupção. Cada nova denúncia parece ser rapidamente monetarizada em benefício político para algum dos partidos, ao ponto em que as condenações nos recordam a expressão “tampar o sol com a peneira”.

Sem sombra de dúvida integramos uma sociedade em que a defesa de determinados direitos básicos da população enfrenta como obstáculo uma classe política composta de seres humanos sem qualquer remorso de roubar frente a desigualdade a que a maioria está entregue. Analisando o perfil de dois dos políticos que tiverem seus nomes mencionados em denúncias de corrupção, algumas reflexões podem ser feitas do ponto de vista psicológico.

Lula e Aécio

Lula: Sua história é a de um sujeito pobre, de família extensa, analfabeto, torneiro mecânico, e que trabalhou como metalúrgico, sindicalista e que se tornou Presidente da república brasileira.

Aécio: Um sujeito privilegiado, de família rica, neto de um político importante, quando adulto se formou em Economia e atualmente é senador da república brasileira.

Pessoas de origem humilde definem valores de maneira diferente das pessoas de origem mais abastada. De um lado, a escassez pode gerar a ideia de que dinheiro não traz felicidade, portanto, mesmo sem dinheiro, é possível ser feliz utilizando-se de valores como amizade, por exemplo. Do outro, o apego ao dinheiro e a convivência harmoniosa com o conforto pode gerar a ideia de que sem dinheiro não é possível ser feliz, ou seja, o dinheiro traz felicidade, amizade, conforto e, afirmam, se houver mais dinheiro do que o necessário, valores como filantropia e voluntariado podem ser praticados.

A pergunta mais difícil, introduzindo a psicanálise:

Como foi elaborada a infância destes líderes, isto é, quais terão sido as frustrações, o que faltou e ainda falta?

A infância e o início da adolescência são o início daquilo que desenvolveremos e promoveremos no nosso modo de ser-no-mundo através da escola, família e convívio na sociedade.

Quais os pontos importantes para refletirmos nas atitudes de formação de valores de um indivíduo?

Outra máxima que se repete Brasil afora também parece ser real: a educação tem poder

Ilutração por Laion Pessôa Sobrinho

A depressão é uma doença adquirida ou se instala ao longo da vida?

A depressão é um grande transtorno moderno no que diz a respeito à saúde mental. É, segundo Nedley (In Revista Vida e Saúde, 2009, p. 10), causada por um distresse mental. Distresse é o estresse prejudicial ou desagradável e estresse é o estado de ansiedade, medo, preocupação ou agitação com resultados psicológicos negativos e doloridos. Uma definição, segundo Cembrowick e Kingham (2003), foi dada por Sir Audrey Lewis nos anos 50, ele diz que as pessoas deprimidas ficam tristes e doentes com sua tristeza.

Conforme Cembrowick e Kingham (IBIDEM, p. 26 e 27) existem alguns tipos de depressão, tais como:

Primaria e secundária: primária significa que a doença se desenvolveu por si só, secundária é quando a depressão é causada por outra doença.

Depressão neurótica e depressão psicótica: a neurótica significa que não importa o quanto está doente a pessoa está sempre em contato com a realidade, já a psicótica a pessoa perde o contato com a realidade, ou suas crenças podem variar da normalidade do indivíduo.

Depressão endógena e exógena: essa terminologia é pouco usada, mas endógena refere-se à depressão que vem de dentro, sem uma causa obvia, já a exógena quando a doença aparece em função de um evento estressante, como a morte de um ente.

Transtorno afetivo unipolar e bipolar: depressão unipolar significa uma doença depressiva que aconteceu em uma pessoa que experimenta tanto o humor normal como o deprimido. Bipolar, por outro lado, é quando a pessoa experimenta em diferentes momentos humor normal, deprimido e alto ou alvoroçado.

Há algumas pessoas que detestam a solidão, sensação de abandono e infelicidade. Dependendo do estado de espírito, esses sentimentos podem produzir melancolia e medo. Sentimentos de impotência perante as situações e sentimento de perda são as causas mais frequentes e marcantes da depressão. Tudo isso depende da escala de valores que atribuímos às coisas. Se perdemos algo que consideramos essencial ou importante, podemos manifestar ou não a depressão.

Como Curar a Depressão?

Algumas formas de tratamento têm o papel muito importante por ajudar a reduzir o desagrado da doença e acelerar a recuperação, tais como: a psicoterapia e a farmacologia. (CEMBROWICK e KINGHAM, 2003)

Ilutração por Laion Pessôa Sobrinho